Confira a programação do ST!

anpuh-2017

O XXIX Simpósio Nacional de História se aproxima!

E entre os dias 24 e 28 de Julho, na cidade de Brasília, teremos 35 apresentações de pesquisadorxs de 19 universidades no Simpósio Temático “Pós-Abolição: racialização, memórias e protagonismos negros”, coordenado por Álvaro Pereira do Nascimento (UFRRJ – IM) e Ana Flávia Magalhães Pinto (Unicamp).

Confiram a programação completa abaixo:

 

Sessão 1 (25/07/2017 – 14:00 à 18:00)

Camila Barreto Santos Avelino (Universidade Federal Fluminense)

Entre tabuleiros, enxadas e teares: o trabalho feminino no Vale Do Cotinguiba durante a escravidão e no pós-abolição, (Sergipe, 1876 a 1910).

Lucimar Felisberto dos Santos (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO)

Páginas da vida: experiências maternais de mães negras no antes e no pós Lei do Ventre Livre. Rio de Janeiro, 1869 – 1888.

Ana Paula Batista da Silva Cruz (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)

“Mães pretas, não casadas, registrando seus filhos naturais”: As relações familiares na Freguesia de São Thiago do Iguape, no Recôncavo da Bahia. (1888-1900)

Fernanda Oliveira da Silva (UFRGS)

Transgredindo o confinamento: mulheres no associativismo negro no extremo sul do Brasil e no Uruguai durante o pós-abolição.

Fábio Dantas Rocha (Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – UNIFESP)

Sainda das sombras: negros e pobres em São Paulo (1900-1920)

Josemeire Alves Pereira (UNICAMP)

Trajetórias de famílias negras, Pós-Emancipação, direito à terra e segregação na constituição de territórios em Belo Horizonte (MG)

Mariana Emanuelle Barreto de Gois (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)

“Desordeiros e Destemidos”: experiências de indivíduos negros na Penitenciária Modelo de Aracaju, SE (1930-1960).

Lívia Nascimento Monteiro (Centro Universitário Celso Lisboa)

#ÉNoisMoçambique #CongadaNegra #NossaSenhoraDoRosário: protagonismos negros e juventude nas festas de Congada e Moçambique de Piedade do Rio Grande-MG no tempo presente

Carolina Christiane de Souza Martins (Universidade Federal Fluminense)

São Luís, cidade negra: Cultura Popular e Pós-abolição no Maranhão

 

Sessão 2 (26/07/2017 – 14:00 à 18:00)

Pamela Beltramin Fabris (Universidade Federal do Paraná)

Entre mestres e músicos: sociabilidade de afrodescendentes em Curitiba (1870-1910)

Lívia Maria Tiede (Unicamp)

O associativismo negro visto pela trajetória da família de Frederico Baptista De Souza – São Paulo (1875-1937)

Jonatas Roque Ribeiro (Universidade Estadual de Campinas)

“O templo augusto do negro”: associativismo negro em Minas Gerais no pós-abolição

Eric Brasil (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira)

As efemérides das Costureiras: associativismo, relações raciais e cidadania no Pós-Abolição Carioca (décadas de 1900 e 1910).

Karla Leandro Rascke (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo)

Associativismo negro em Florianópolis no pós-Abolição (1915-1930)

Marcus Vinicius de Freitas Rosa (UFRGS)

A liga dos homens de cor: raça e política no pós-abolição

Lucas Andrade dos Santos (UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA)

“Em que a raça precisa de defesa?” A Frente Negra da Bahia (1932-1934)

João Paulo Lopes (UERJ)

“Como será o amanhã? O futuro e o horizonte de expectativas na imprensa negra dos anos 1926 a 1937

Willian Robson Soares Lucindo (UNIVERSIDADE DE CAMPINAS)

Imagens dos negros dos Estados Unidos nas páginas do jornal negro “Getulino”

 

Sessão 3 (28/07/2017 – 08:00 à 10:00)

Robério Santos Souza (UNEB)

Histórias de trabalhadores escravos e de luta pela liberdade nas estradas de ferro da Bahia, Séc. XIX

Francisca Raquel da Costa (Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí)

Um Suspiro de Liberdade: práticas de reescravização de libertos e pessoas livres no Piauí. 1850-1888.

Antonia Márcia Nogueira Pedroza (Universidade Federal do Rio Grande do Norte)

Escravidão e emancipação: a luta dos escravizados e reescravizados ilegalmente pela liberdade nas tramas dos costumes e da justiça institucionalizada, no Ceará oitocentista

Leonardo Ângelo da Silva (UFRRJ)

Volta Redonda em Preto e Branco: relações raciais e desenvolvimentismos no “calor do fogo”, na raça (1946-1987).

 

Sessão 4 (28/07/2017 – 10:00 à 12:00)

Aline Najara da Silva Gonçalves (UFRRJ)

DO ESCRAVO QUE NEGOCIA AO LIBERTO IMPERFEITO: Desdobramentos da política da escravidão na Vila de Santo Antônio de Alagoinhas (BA) na segunda metade do século XIX

Yaracê Morena Boregas Rêgo (FFLCH/USP)

“Onde tem vivos os seus parentes todos ingenuos e cidadãos estabelecidos” Reescravização e mobilidade de afrodescendentes em São Paulo (1880-1900)

Humberto Fernandes Machado (Universidade Federal Fluminense)

A Nostalgia do Cativeiro nas páginas dos jornais da Corte.

Cristiane dos Santos Silva (UFMT)

Os trabalhadores rurais negros e mestiços diante o projeto escravagista em Santo Antônio do Rio Abaixo, na virada do século XX

Maria do Carmo Moreira Aguilar (UFRGS)

Desagregação do escravismo, pós-abolição, racialização e conflitos em Cruz Alta/RS entre 1870-1900.

 

Sessão 5 (28/07/2017 – 14:00 à 18:00)

Edinelia Maria Oliveira Souza (Universidade do Estado da Bahia)

Entre o campo e a cidade: itinerários da população negra na Bahia depois da abolição

Mayara Pláscido Silva (Universidade Federal da Bahia)

“Revolução sem sangue” na “decantada pátria de Lucas”. Cidadania e experiências de trabalhadores negros e migrantes em Feira de Santana – Bahia (1890-1930).

Carlos Eduardo C. da Costa (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)

“Bilhete só de ida”: Memórias de Migrantes Negros no Pós-Abolição. Rio de Janeiro (1920-1950)

Renata Ribeiro Francisco (Universidade de São Paulo)

Memória maçônica de um negro arrojado e atrevido

David Durval Jesus Vieira (Instituto Federal do Pará)

“Esse grande cubano”: a experiência de um artista negro em Belém (1896)

Alessandra Tavares de Souza Pessanha Barbosa (UFRRJ)

Mano Eloy: trajetória e protagonismo negro na construção cultural urbana do Rio de Janeiro do Pós -Abolição

Júlio Cláudio da Silva (Universidade do Estado do Amazonas)

Raça, Memória e Biografia: o protagonismo de Léa Garcia, nos tempos do Teatro Experimental do Negro (1950)

Caroline Moreira Vieira Dantas (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)

Patricio Teixeira: a experiência de um músico negro na fonografia e no rádio (1920 a 1950).

Para acessar os resumos de cada apresentação, clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s